domingo, 17 de outubro de 2010

domingo, 3 de outubro de 2010

Adeus #ObamaDigital, hoje começo um novo projeto



Caros amigos,

Após começar a me interessar mais sobre a ciência da felicidade aplicada a empreendedorismo e negócios, lendo livros como
o Crush It! do Gary Vay ou o Deliveryng Happiness do Tony Hsieh, decidi aposentar o #ObamaDigital.

Esse é meu último post por aqui, pois vou começar o meu site pessoal, no qual escreverei e gravarei vídeos, entrevistas
sobre um assunto que sou completamente apaixonado: empreendedorismo, cultura de start-ups de tecnologia e digital business.

Foi exatamente por conta desses assuntos que resolvi me mudar para Boulder e estudar na Boulder Digital Works.

Comprei o domínio pedrosorren.com e estou orçando empresas de design, mais especificamente a Blue Bossa, que já é parceira de longa data.

O Blogger é uma grande bosta para CMS. Uma plataforma velha, que não se atualizou e bastante limitada em termos de bem..
TUDO! De plug-ins à layouts, digo adeus os blogs do Google.

Durante todo esse tempo por aqui (11 meses), foram mais de 1500 visitas. Obrigado a cada um de vocês que deram um pulo por aqui, seja para ver o #ObamaDigital ou mesmo para conferir postagens minhas e do @rovitulli.

Não posso me esquecer também dos 10 seguidores do blog! Vocês são demais. Só de imaginar que eu, sem atualizar periodicamente ou escolher temas, tenho 10 pessoas fielmente interessadas já é sensacional.

Chegou a hora de selecionar melhor os assuntos, trabalhar o marketing pessoal e me aprofundar no que eu realmente tenho interesse como profissional.

A partir de agora, vou dedicar boa parte do meu tempo a minha futura empresa.

Espero que em menos de 2 meses o www.pedrosorren.com esteja no ar!

Enquanto isso, sigam-me no twitter ou acompanhem meus textos na ResultsOn, ProXXima ou Mashable.com

Abraços e Beijos,

Pedro Sorrentino
@pedrosorren




 

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Angels Investors e Venture Capitals fazendo cartel no Vale do Silício?

Por conta deste post que o Arrington (Editor-Chefe) do TechCrunch escreveu antes do evento,
todos estavam com uma grande expectativa sobre o painel que teve a participação de gente de 
peso como, Ron Conway (Super Angel), Mark Suster (GRP Partners), Dave McClure (500 
Start-ups). 
O que aconteceu foi que ele "supostamente" encontrou todos esses bigshots e os acusou de 
fazerem cartel na avaliação das empresas que iriam investir no futuro. Pagando, dessa forma, 
muito menos e lucrando muito mais. 

Era inevitável a discussão sobre isso no painel. Ficou tudo muito tenso, mas foi interessante. 

O vídeo abaixo, mostra parte do que aconteceu no palco. 



Cobertura do TechCrunch Disrupt #001

Engraçado, mas já parece pré-histórico o vídeo que gravei na madrugada do domingo. Antes de voar para São Francisco.

Só não queria deixar ele morto no meu HD.


=)

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Hoje é um novo começo.

Nada de escrever muito por aqui. O momento agora é de agir, lutei muito para chgar até aqui em Boulder e vou viver e aproveitar cada dia, conversa, pessoas e conhecimento.

Home-sick superado, agora é hora de crescer e agir.

"Live as if you were to die tomorrow. Learn as if you were to live forever" - Gandhi

Agora 4 vídeos/músicas inspiradores. Nesta exata ordem.













Em frente!


=)

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Logos Lesson. Dislikes + Likes

I really like the Wallmart evolution logo. It show a more simple, light and fun side of the brand. Instead of focusing on the brand it self and low prices (witch is actually something bad because it can make the brand itself something cheap).

This new idea is interesting, because it brings puporse to everything. It's not only chep but it makes you happy. 




I dislike the UPS logo for one reason. I can't really tell if they are a bank or a transportation company. For me their logo reffers to safety and security instead of mobility, deliverying, shipping and the list goes on. In this case I think that there's space for a rebrading. Of course that the security aspect is great, but I think it can be more also.







sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Quando a Zappos me entregou felicidade - Parte 01




Essa é a primeira vez que decido escrever sobre como tem sido minha vida aqui nos Estados Unidos. Há 3 semanas estou aqui. Sinceramente estou em uma fase que quero dar um fade-out na minha conta do Twitter. Vou postar mais por aqui, em especial sobre a enorme quantidade de novas experiências que tenho tido.

Vou fazer disso um hábito e, para ser sincero, o Twitter come a qualidade e engorda em quantidade. Chega disso. Less is More. Always.

Vamos lá.

Muito bom poder voltar a usar a Pandora.com e aproveitar para assistir programaas no Hulu.com. Contudo, o que eu mais queria fazer era comprar pela Zappos.com.

Há algum tempo já estava afim de experimentar o Nike+, me manter motivado e analisar metas pessoais. Em especial com relação ao meu corpo. Provar uma experiência que é um sucesso global, mas com o preço que custa por aqui. E me desmotivo muito fácil quando falamos de exercício físico. Tanto que o maior tempo que frequentei a academia consecutivamente esses últimos 3 anos, foram dois meses. Vergonhoso.

Comprar pelo site da Nike implicava no dobro do tempo de entrega, sem contar o frete. Além disso, para mim Tony Hsieh (se pronuncia Shey) é um exemplo de vida para mim. Alguém que me insipira a ser um profissional e futuro empresário melhor. Todos os dias.

Quando resolvi me mudar para Boulder aqui no Colorado tinha muitos livros que tinha comprado, mas não terminado. Simplesmente não queria deixar eles apodrecendo em casa. Trouxe na mala os seguintes títulos:

- Putting the Public Back in PR - Brian Solis
- Socialnomics - Eric Qualman
- Get Seen - Steve Garfield
- Freakonomics - Stephen Dubner, Steven Levitt
- The Cult of the Amateur - Andrew Keen
- Ethics Part 01 - Benedictus Spinoza
- Darma Digital - Steven Vedro

Mesmo assim eu estava flertando com o Delivering Happiness há algum tempo. Esse livro é uma mistura entre auto-biografia e uma história de empreendedorismo de sucesso do Tony. Só não havia criado a coragem de comprar porque pensava: cara, você tem vários ótimos títulos para ler. Um passo de cada vez.

Mas não era isso que a natureza reservava para mim. Primeira semana que estava com meu studio alugado, ou seja estava mais preocupado em ir fazer compras na Target (Supermercado e Utensílios) e mobiliar a casa na Craigslist (foi animal fazer isso) do que contratar a um ISP para internet. Tudo isso pra dizer que eu só ficava online na Boulder Digital Works ou quando ia para o Starbucks. Como era domingo, fui para o Starbucks.

Chego lá o e o café lotadasso. 100% das pessoas com seus notebooks abertos usando o Wi-Fi gratuito de alta velocidade da AT&T. Resultado: nem consegui abrir o Gmail. Como eram apenas mais 5 minutos de caminhada fui para a BDW.

Nós como estudantes da pós temos acesso 24/7 ao nosso espaço interativo. Contudo, era domingo... então pensei não vai ter ninguém. Bacana. Chego lá todos os veteranos trabalhando em seus projetos. Realizei que estava no lugar certo. Havia encontrado mais amigos workaholics. Slumdog people.

Depois de umas duas horas lá, Justin vira para mim e fala: "Pedro, está rolando um evento da Zappos na praça da cidade. É a turnê daquele livro sobre felicidade, vamos conosco?" Nem acreditei.

Quando chegamos na praça. Estava tocando Living on a Prayer (na hora lembrei do @IgorTrisuzzi) dei um sorriso e me separei do grupo. Tony adora Red Bulls. E ele é a personificação da Zappos, o que quer dizer que havia uma geladeira gigante e um Open Bar de energético além de uns petiscos.

Enquanto meus colegas colocavam energéticos goela abaixo, fui falar com o pessoal da Zappos.

Boulder foi a primeira cidade escolhida para a turnê do livro. Vi pelo cartaz que havia perdido Tony por algumas horas. Viro-me para a funcionaria e falo como eu acho a Zappos incrível, como o mantra de ser completamente focado em serviço ao consumidor era algo incrível. Que havia assistido horas de apresentações em vídeo do Tony na web e estava tentado a comprar o livro. Claro que ser comprado pela Amazon por U$ 1,2 Bilhão também ajuda a trazer inspiração.

Com um sorriso ela se abaixa, abre uma caixa de papelão e me entrega uma cópia do Deliverying Happiness. O livro que estava flertando há meses!

Yes Folks.

Happines Delivered Part 01.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

O Google Wave não morreu...

(últimas ondas de vida...)

Rodrigo Vitulli

... ou foi assassinado, como dizem. Ele mora em nossos corações e por isso nunca deixará de existir. Errrrrrr. Não, esse pode ser um dos motivos, mas não é por isso que eu decreto o não óbito da ferramenta. Ou melhor, virtualmente ele deixou de existir, mas sua essência não. ‘Ta’ confuso, eu sei, mas explico:

Minha opinião é a mesmíssima do Google: “a ferramenta não atingiu a adesão que esperávamos”. E não mesmo, por um motivo que parece banal, mas as pessoas não estavam, e ainda não estão, preparadas para ele (agora é a hora que os geeks se sentirão vilipendiados). Logicamente uma parcela entendeu o potencial da ferramenta, que de complicada não tem nada.

A ambição da ferramenta não era pequena. Ela só queria dominar todos os meios de comunicação que web oferece. E fazia isso muito bem, claro, com inúmeros bugs e correções que qualquer versão beta necessita (talvez até um pouco {muito} mais que as outras), mas não o isentava do tremendo potencial. Qualquer um que já combinou um mero churrasco com os amigos do trabalho sabe o quanto é complicado aquela enxurrada de respostas, muitas delas respondendo a perguntas ainda do início de conversa; uma confusão que não agilizava em nada o processo. Qualquer um que usou minimamente o Wave sabe da facilidade em percorrer o mesmíssimo processo sem os infortúnios de mensagens desconexas e amigos retardatários. Simples, direto e assustador.

Qualquer mudança exige um período de adaptação delicado e variável. O Google sabe disso muito bem e me decepciona um pouco com uma atitude tão radical. Se fosse só essa funcionalidade, a de marcar encontros de maneira ágil e direta, vá lá que não valesse manter servidores dedicados à ferramenta, mas as inúmeras possibilidades que o Wave oferece vão muito além disso, sem contar a facilidade de anexar qualquer aplicativo à qualquer conversa ativa.

O Wave é uma revolução silenciosa sem revolucionários. Por ser atrelado à conta Google e por estratégias de marketing errôneas (do tipo limitar os convites de acessos), talvez não tenha se difundido. Ainda sonho com um “wave universal”, que integre qualquer conta... Fica a diga a única empresa capaz disso hoje: Facebook, Inc.

Agora... Engana-se quem aposta que o legado de Wave tenha ido para o beleléu. Dá uma olhada no seu G.docs (tá, agora to falando com os geeks) e vê lá a última ferramenta de compartilhamento em tempo real que os danadinhos deixaram lá! Quando você menos esperar todas as funcionalidades estarão todas integradas de novo; ai você vai perceber como o Google é genial, sem se dar conta que os danadinhos haviam sido geniais há mais tempo e era você que não estava preparado.

Programadores!, a parte central dos códigos e os protocolos do Wave estão abertos e disponíveis. Se eu não fosse um zureta com os números, aproveitaria esse filão.

A Visão do pessoal do TechCrunch sobre o Brasil é engraçada

Ótimo material para nós empreendedores tech no Brasil. A visão deles em relação ao nosso país ainda vai mudar muito.

Júlio Vasconcellos. Head do Facebook no Brasil e Founder do Peixe Urbano no TCTV

Oswald de Andrade Goodbye Style

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Resumo da minha palestra em Brasília no ILB do Senado Federal


Foi muito boa essa visita à Brasília. Nesse momento estou sem tempo para escrever um texto descente sobre toda a exeperiência e por isso reproduzo na íntegra a matéria da agência Senado, que ficou muito fidedigna.

Ao final vocês poderão acessar os Slides da minha apresentação. =)

=====

Em palestra no ILB, especialista em mídias digitais aponta para o diálogo direto entre empresas e instituições com o público



Durante a tarde desta terça-feira (3), o publicitário e profissional de relações públicas Pedro Sorrentino realizou palestra no auditório do Instituto Legislativo Brasileiro (ILB) ressaltando a importância das novas mídias digitais para que empresas, instituições e pessoas públicas possam ter um diálogo direto com seus públicos ou clientes. A palestra "Jornalismo e Relações Públicas 2.0 - ideias para uma instituição pública atuar de forma mais participativa nas mídias sociais" foi promovida pela Secretaria de Relações Públicas do Senado Federal.

Pedro Sorrentino é autor do documentário "Obama Digital" (exibido ao final do evento), que analisa o uso das redes sociais na campanha presidencial do então candidato Barack Obama. Em diversas entrevistas com especialistas, o documentário aponta Obama como o primeiro candidato a presidente no mundo que lançou mão das novas mídias sociais da internet de maneira bem-sucedida. De acordo com Sorrentino, Obama usou 16 dessas ferramentas em sua campanha, principalmente o Twitter, Facebook e YouTube, e até redes especializadas nos públicos negro, gay e muçulmano.

O palestrante exemplificou algumas das estratégias usadas pelo agora presidente Obama: anunciou quem seria seu candidato a vice-presidente em primeira mão por SMS (mensagens de celular) a eleitores previamente cadastrados; anúncios e propagandas em jogos de videogame em rede e criação de um sítio apenas para rebater ou contradizer boatos e acusações contra o candidato (como a de que ele não seria um norte-americano nato). Mais de 90% do total das doações recebidas por Obama foram de menos de US$ 100, e vieram principalmente de eleitores comuns.

Isso demonstra, na opinião de Sorrentino, como essas mídias e redes podem ajudar empresas, instituições ou políticos a se aproximarem de modo mais carismático da população ou de consumidores. O diálogo e o feedback propiciados pela internet devem receber atenção especial dos emissores de conteúdo, aconselhou.

Mas não basta que uma entidade pública, por exemplo, tenha perfis em diversas dessas redes, pois a boa qualidade do conteúdo (a mensagem ou o produto) ainda é o mais importante, acrescentou Sorrentino.

- Quer um bom marketing? Faça um bom produto! Não adianta estar em todas as redes sociais se o produto não é bom - resumiu o palestrante, acrescentando que essas redes servem para integrar pessoas e entidades e não apenas divulgar produtos ou mensagens.

Para ele, a eleição brasileira de outubro será a primeira na história do país com uso significativo dessas redes sociais digitais pelos candidatos, mas ainda de maneira tímida. O especialista destacou ainda a enorme velocidade de transmissão de informações por essas mídias, sejam essas informações boas ou não para a imagem do emissor.

- A internet proporciona respostas e feedback instantâneos, qualquer erro nunca passará despercebido. A comunicação acontece em duas mãos - disse.

Sorrentino também afirmou que as instituições públicas como o Senado Federal podem usar esses novos meios digitais para humanizarem suas imagens perante a população brasileira e para recuperarem prestígio e credibilidade junto à sociedade.

Em palestra no ILB, especialista em mídias digitais aponta para o diálogo direto entre empresas e instituições com o público
[Foto: ]

Durante a tarde desta terça-feira (3), o publicitário e profissional de relações públicas Pedro Sorrentino realizou palestra no auditório do Instituto Legislativo Brasileiro (ILB) ressaltando a importância das novas mídias digitais para que empresas, instituições e pessoas públicas possam ter um diálogo direto com seus públicos ou clientes. A palestra "Jornalismo e Relações Públicas 2.0 - ideias para uma instituição pública atuar de forma mais participativa nas mídias sociais" foi promovida pela Secretaria de Relações Públicas do Senado Federal.

Pedro Sorrentino é autor do documentário "Obama Digital" (exibido ao final do evento), que analisa o uso das redes sociais na campanha presidencial do então candidato Barack Obama. Em diversas entrevistas com especialistas, o documentário aponta Obama como o primeiro candidato a presidente no mundo que lançou mão das novas mídias sociais da internet de maneira bem-sucedida. De acordo com Sorrentino, Obama usou 16 dessas ferramentas em sua campanha, principalmente o Twitter, Facebook e YouTube, e até redes especializadas nos públicos negro, gay e muçulmano.

O palestrante exemplificou algumas das estratégias usadas pelo agora presidente Obama: anunciou quem seria seu candidato a vice-presidente em primeira mão por SMS (mensagens de celular) a eleitores previamente cadastrados; anúncios e propagandas em jogos de videogame em rede e criação de um sítio apenas para rebater ou contradizer boatos e acusações contra o candidato (como a de que ele não seria um norte-americano nato). Mais de 90% do total das doações recebidas por Obama foram de menos de US$ 100, e vieram principalmente de eleitores comuns.

Isso demonstra, na opinião de Sorrentino, como essas mídias e redes podem ajudar empresas, instituições ou políticos a se aproximarem de modo mais carismático da população ou de consumidores. O diálogo e o feedback propiciados pela internet devem receber atenção especial dos emissores de conteúdo, aconselhou.

Mas não basta que uma entidade pública, por exemplo, tenha perfis em diversas dessas redes, pois a boa qualidade do conteúdo (a mensagem ou o produto) ainda é o mais importante, acrescentou Sorrentino.

- Quer um bom marketing? Faça um bom produto! Não adianta estar em todas as redes sociais se o produto não é bom - resumiu o palestrante, acrescentando que essas redes servem para integrar pessoas e entidades e não apenas divulgar produtos ou mensagens.

Para ele, a eleição brasileira de outubro será a primeira na história do país com uso significativo dessas redes sociais digitais pelos candidatos, mas ainda de maneira tímida. O especialista destacou ainda a enorme velocidade de transmissão de informações por essas mídias, sejam essas informações boas ou não para a imagem do emissor.

- A internet proporciona respostas e feedback instantâneos, qualquer erro nunca passará despercebido. A comunicação acontece em duas mãos - disse.

Sorrentino também afirmou que as instituições públicas como o Senado Federal podem usar esses novos meios digitais para humanizarem suas imagens perante a população brasileira e para recuperarem prestígio e credibilidade junto à sociedade.

Slides da apresentação no Senado Federal | AGO 2011

Entrevista para a Rádio Senado | 2010 | mídias sociais e eleições 2010

Entrevista para a Rádio Senado AGO 2010 - @pedrosorren by pedrosorren



Link original da matéria


Além disso concedi uma pequena entrevista para o Blog Oficial do Senado Federal


domingo, 25 de julho de 2010

Slides para RP 2.0 e Social Media @SPDS - JUN - 2010

Essa é a versão da minha última aula.

Não entendi o por quê do SlideShare ter espremido as letras, mas dá para acessar o conteúdo e isso é o mais importante.

Valeu!

sábado, 10 de julho de 2010

Analytics do Projeto Obama Digital = Real Data Results

Colocamos o nosso documentário #ObamaDigital no ar no dia 28 de Novembro de 2009.

Resolvi hoje apurar todas as estatísitcas do projeto, desde o primeiro dia que postamos
ele na web.

Nossa, como fiquei feliz!

Abaixo vão alguns gráficos que explicam o suficiente.

Os Top 10 endereços que mais geraram visualizações:



Gente até de Moçambique e Polônia viram o filme!



A semana que teve o melhor resultado 17.7k de views, foi quando a @rosana postou no Querido Letior.




A lista com os 15 primeiros países que mais acessaram o filme:




No final gostaria de agradecer a TODOS que ajudaram nesse projeto. Desde meus companheiros de grupo Vinícius Bruno e Julia Reina, até meu eterno parceiro @rovitulli.

A minha maior gratidão vai para todos que twitaram e embedaram o conteúdo. A idéia sempre foi fazer a diferença na sua percepção das tecnologias digitais e do que as mídias sociais podem fazer.

Esse ano é o ano da primeira eleição presidencial brasileira totalmente on-line.

Eu estou com vontade de vomitar, pois não sei em quem votar. Só recomendo mesmo o @mandic para deupatado federal (2555 é o número dele). De resto, preferia não ser obrigado a escolher. MESMO.

Mas agora não é hora de lamentar, vamos comemorar.

Parabéns a todos os envolvidos. Vocês são foda. Valeu cada madrugada, briga com ex-namorada e ressaca (moral ou etílica).

Hell Yeah,

@pedrosorren

ps - se você quer saber a minha opinião sobre a eleição "digital" deste ano, recomendo ver esse artigo publicado no Nós da Comunicação.

quarta-feira, 7 de julho de 2010

A mudança de tecnologia exige uma alteração na forma de se comunicar

Muito leve, bem feito e verdadeiro esse vídeo.

Ainda há muita gente fazendo menos do que poderia na web.

Alou agências de publicidade! Essa é para vocês. :)



Achei o vídeo no Comunicadores

domingo, 4 de julho de 2010

Documentário We Music | Ótima produção. Belo Conteúdo.

Estou em um momento para abrir a cabeça, em especial depois da reunião que tivemos (eu, @julima e @rovitulli) ontem sobre como vamos levar o projeto do nosso próximo filme - O MobiCloud - a diante.

Nessas encontrei o We. Music. Que serviu de exemplo por vários sentidos.

- Dá para falar de internet, se mostrar nego clicando ou digitando no computador.
- Dá para gravar tomadas de alta qualidade, sem muito esforço de produção. O espefoço é criativo.
- Dá para fazer bem com idéias simples e interessantes.


Como sempre: less is more.

E vamos ao pré-roteiro!

Abaixo vocês conferem o filme.

Enjoy.

WE.MUSIC - COMO A WEB REVOLUCIONA A MÚSICA? from My PIX on Vimeo.

domingo, 27 de junho de 2010

O vídeo do princípio da vida. Manifesto 4 life.

Slides do Social Media Brasil 2010

Foi um grande prazer ter participado do Social Media Brasil.

Abaixo vocês conferem os slides tanto em português como em inglês.

Além disso publico aqui dois vídeos da minha palestra, gravados pela amiga @AnaVictorazzi !!

Parte 01



Parte 02




Enjoy. Demand. Ask. Contribute!





Vivendo a Sincronicidade na última potência!

Yeah!

Sincronicidade é um conceito desenvolvido por Carl Gustav Jung para definir acontecimentos que se relacionam não por relação causal e sim por relação de significado. Desta forma, é necessário que consideremos os eventos sincronísticos não a relacionado com o princípio da causalidade, mas por terem um significado igual ou semelhante. A sincronicidade é também referida por Jung de "coincidência significativa".
O termo foi utilizado pela primeira vez em publicações científicas em 1929, porém Jung demorou ainda mais 21 anos para concluir a obra "Sincronicidade: um princípio de conexões acasuais", onde o expõe e propõe o início da discussão sobre o assunto. Uma de suas últimas obras foi, segundo o próprio, a de elaboração mais demorada devido à complexidade do tema e da impossibilidade de reprodução dos eventos em ambiente controlado.
Em termos simples, sincronicidade é a experiência de ocorrerem dois (ou mais) eventos que coincidem de uma maneira que seja significativa para a pessoa (ou pessoas) que vivenciaram essa "coincidência significativa", onde esse significado sugere um padrão subjacente.
A sincronicidade difere da coincidência, pois não implica somente na aleatoriedade das circunstâncias, mas sim num padrão subjacente ou dinâmico que é expresso através de eventos ou relações significativos. Foi um princípio que Jung sentiu abrangido por seus conceitos de Arquétipo e Inconsciente coletivo.
Acredita-se que a sincronicidade é reveladora e necessita de uma compreensão, essa compreensão poderia surgir espontaneamente, sem nenhum raciocínio lógico. A esse tipo de compreensão instantânea Jung dava o nome de "insight".

Via Wikipedia.

sábado, 19 de junho de 2010

Boulder Digital Works - EVOLVE! @internetweek '10 NYC

Larry and His Flask - Union Square NYC June 2010

Uma sequenência de três vídeos da banda Larry and His Flaks que assisti na Union Square em NYC.

Ótimo exemplo de Free economy e Corwdsoucing. Naquela tarde eles ganharam cerca de 150 dólares, sem contar a divulgação e toda a mídia que foi produzida.

Vejam abaixo os 3 vídeos que gravei. =D





quarta-feira, 2 de junho de 2010

Broadcasting

É com muita alegria que anunciamos a primeira veiculação do documentário #ObamaDigital em grande escala. Será no canal universitário no horários abaixo:

Estréia - quinta-feira: 10 de junho de 2010 às 17h00 - NET canal 11 (tanto
digital quanto analógica) e TVA 71 analógica e 187 Digital.

Os outros horários:

Sábado: 05h30
Domingo: 21h30

Terça (15 e 22/06) às 08h00
Quarta (16 e 23/06) às 03h30



Aproveito a postagem para um Salve especial a todos os funcionários do CRT Mackenzie que tanto nos ajudaram na produção! Um Abraço

segunda-feira, 17 de maio de 2010

iPad e o conhecimento.



Se me permitem o disparate Obama está "meio certo" ao criticar Ipad's, Ipod's, Xboxes, Live and Co (para entender).

Muito deste post parafraseia o artigo de hoje de Pedro Doria.

Todos nós ficamos impressionados com a demonstração de livros no iPad; em especial o da Alice (mais impressionante que o filme de Burton). É obvio o potencial desse novo segmento enquanto instrumento de aprendizagem, diversão e difusão. Não tenho dúvidas de que nossos filhos, ou mesmo nós em cursos de Graduação e afins, usaremos tablets como os da Apple como suporte às explicações.

É claro que o 'primeiro presidente digital' sabe disso. Até o Lula deve saber (espero). Não fosse o absurdo potencial dessas ferramentas, dificilmente ele teria a força popular que teve, segundo a conclusão primordial do documentário #ObamaDigital. Mas o fato é que a crítica de Barack tem fundamento e só poderemos comprovar os efeitos da digitalização em massa ao loooongo prazo.

Você que é navegante assíduo dos principais blogs de informações sabe que eles não se bastam como fonte de informação. Isso porque seus textos costumam preencher, assim como outros milhares de blogs, uma colcha de retalhos dos fatos que repercutem na web. Raramente encontramos textos que costuram suas premissas em lógicas conclusivas que servem como base de reflexão e conclusão da mesma ou de uma idéia nova. A maioria dos posts que o fazem, reproduzem conteúdos de mídia impressa e outras mídias já consolidadas (quando não na íntegra, boa parte deles).

Precipitando a perda de terreno (mas não nulidade) desses meios já consolidados, é possível afirmar que cada vez mais os conteúdos serão produzidos exclusivamente para os gadgets que surgem hoje como promessa de plataforma de leitura. E é justamente ai que entra preocupação de Obama e de muita gente: a abundância de informação e a falta de reflexão acompanhada do emaranhado novelo que hoje se tem na web. É possível dizer que muito do conteúdo sólido dos jornais diários se perpetuarão nos tablets, ou a adaptação em textos curtos e diretos é inevitável? Again, ao longo prazo.... looooongo.

Cada vez mais me parece que a leitura torna-se apenas um aplicativo, ou um ícone, dentre as infinitas possibilidades trazidas pelo iPad. Preferiria que seu nome fosse verdadeiramente iReader e que se perpetuasse nele o ritual de se abrir um livro magnífico, e não um passatempo entre as horas vagas.


Rodrigo Vitulli

domingo, 16 de maio de 2010

Como fazer uma projeto colaborativo usando ferramentas da web







Nosso filme não é a atividade principal de nossas carreiras. É mais uma delas, que fazemos com muito gosto. =)

Por conta da limitação tempo-espaço, utilizamos-nos de diversas ferramentas da web 2.0 para facilitar o processo. É importante que as nossas reuniões presenciais sejam muito produtivas.

Sem fucking bullshit. Vou falar um pouco do que usamos para fazer o Obama Digital e do que já está em uso para o #Mobicloud


Muitos já conhecem. É uma sistema para você fazer marcadores de favoritos. A vantagem é que todos ficam disponíveis para você na web, sempre que precisar. Para nós é ótimo quando encontramos uma notícia quente ou mesmo informação relevante para o filme e queremos distribuir. Ao invés de um e-mail, lá fica tudo organizadinho. Também recomendo o Xmarks e o Evernote. Por sinal, com os addons para Chrome e Firefox, fica ainda mais fácil.



A ferramenta mais importante na minha opinião. Facilita para produzir documentos a distância que são constantemente atualizados. Ou invés de ficar dando números para planilhas. Tipo Roteiro 1.0.1_VF_.Docx você usa o mesmo arquivo, sempre disponível a todos. Do rascunho à versão final.


Nossa pasta Online. A FTP onde deixamos toda informação que usamos, pesquisamos e produzimos. Apenas não usamos o DropBox, pois temos nossas Boxes pessoais e não dá certo misturar.

Essas são as principais. Ao longo do tempo, vamos colocar aqui as outras ferramentas que usamos, pois compartilhar o que é de graça e funciona bem é sempre bom.

So Long Folks! Let's Destroy and Build.



Como a Mobilidade Digital tem alterado o comportamento humano?




É com grande satisfação que aviso a vocês o início de um novo projeto. Ele começa em Junho, com previsão para terminar em Fevereiro do Ano que vem. Logo após o carnaval.

Eu, @Julima e @Rovitulli vamos começar um novo filme.

A pergunta que queremos responder é: Como a Mobilidade Digital tem alterado o comportamento humano?

Já parou para pensar como toda a informação que usamos, compartilhamos e distribuimos pelo mundo está absolutamente imaterializada?

Me explico melhor. Você que usa Hotmail, Gmail, MSN, Nimbuzz, Facebook, Flickr, Megaupload entre tantos e tantos outros, sabe onde ficam as informações que são trocadas e produzidas nesses ambientes? Elas estão em servidores remotos, nos gigantes e misteriosos Data Centers. Esse é um conceito básico, de Cloud Computing usada para propósitos B2C (Business to Consumer).

Depois temos nossos Smartphones ( se vc não tem ainda, relaxe pois até 2018 eles serão maioria na América Latina). Com um hardware poderoso e sistema operacional repleto de softwares (Apps) ele funciona como um Hub, uma extensão da sua vida que cabe na palma de suas mãos. Como se fosse um cartão de entrada para os Data Centers da Nuvem que a cada dia armazenam mais e mais informações de nossas vidas.

Já parou para pensar na imaterialidade e portabilidade da informação? Se sim, contribua! Esse é um projeto aberto. Se não parou, acompanhe nosso blog. Pois ao menos 2 novos post por semana vocês devem encontrar por aqui!

Termino com esse vídeo sobre os Data Centers do Google e uma frase para inspirar:

"A glória é tanto mais tardia quanto mais duradoura há de ser, porque todo fruto delicioso amadurece lentamente"Arthur Schopenhauer






As conclusões sobre #ObamaDigital e o novo documentário




Olá a todos!

É com muita felicidade e satisfação que escrevo esse post. São vários motivos, mas eu não vou escrever nada longo por aqui.

É mais fácil fazer uma lista mesmo:

1 - Após um ano do surgimento da idéia do Obama Digital e a gravação da primeira entrevista o projeto continua a repercutir

2 - Ao longo da produção do filme rolaram muitos estresses, mas o resultado final foi MUITO gratificante. Valeu cada madrugada varada, briga e ralação.

3 - No processo de divulgação conheci muitas pessoas incríveis e várias sementes para novos projetos foram plantadas. Isso não tem preço. É a roda da vida girando.

4 - Esse filme já chegou às mãos ou monitores (sim, fizemos distribuição de DVDs) de profissionais do trade ilustríssimos, os quais admiro muito.

5 - Ao longo do processo, algumas máscaras caíram. Foi extremamente positivo. Amadureci.

6 - Com muita satisfação aviso a vocês que eu @pedrosorren, @julima e @rovitulli vamos fazer um segundo filme. Essa é a parte mais bacana de tudo.

Por enquanto é só! Ao longo da semana, divulgarei mais detalhes sobre o novo filme que vamos fazer.

Let's Rock!


quarta-feira, 12 de maio de 2010

Obama Digital | English Subtitles | #obamadigital

Obama Digital | English Subtitles | #obamadigital from Obama Digital on Vimeo.


This is a video-documentary about the role that digital media had in the 2008 presidential election for the United States of America. It analyzes Barack Obama's digital strategy for his 2008 presidential campaign.

Our main goal was to comprehend the importance and influence that all digital media can have in a political campaign, considering the innovations and availabilities of resource that the digital media has reached and the capabilities of technological tools.

The video-documentary displays the Internet as a new space of representation and a politic battlefield to mobilize coreligionists, to present government proposals, to collect funds for the campaign and to promote the ap-proach between candidate and voters.

Now we can =)

I (@pedrosorren) personally apologize for the fact that all the GCs from the video are in portuguese. Unfortunately by the time I decided to subtitle the video in English I had to use my hard disk for other films.

Here you can find more information about who was interviewed in to movie.

In order of appearance:

Antonio Graeff - CEO of Brancaleone (Digital Communication Agency) and author of this book, about digital elections. goo.gl/iULR

Eduardo Barella - Editor of international News From O Estado de S. Paulo Newspaper goo.gl/ItRd

Rodrigo Teixeira - Web Strategist at Talk Interactive. Responsible for the Kassab (mayor of São Paulo) digital campaign goo.gl/o5c0

Pedro Dória - Editor-in-chief for online operations and the Technology Columnist at O Estado de S. Paulo, one of Brazil's major newspapers. Also a Knight Fellow at Stanford University. goo.gl/ELVV

Juliano Spyer @jasper - Web Strategist. Responsible for the digital campaign for Gilberto Kassab (current mayor of São Paulo) and Marina Silva, candidate for the presidential election in Brazil, for the 2010 election.
goo.gl/11e7

Mário Alcântara - Digital Coordinator for the José Socrates 2010 (Prime Minister of Portugal) reelection campaign. Worked directly with fellows from Blue State Digital, such as Ben Self
goo.gl/Ciap

Rosana Herman - Tv Producer and one of the first brazilians to start a blog. Community leader and Web 2.0 enthusiastic. Has been a Tv professional for the past 25 years. - @rosana

Ben Self -Blue State Digital partner and the responsible coordinator for Obama's (2008) Digital Strategy.
goo.gl/PyOr

Cláudio Torres - Digital Marketing Consultant - Author of the Digital Marketing Bible -
goo.gl/XxSo

Sérgio Amadeu - Brazilian Sociologist and Main Leader of the Open Source Community in Brazil -
goo.gl/Cn2b

Gil Giardelli - CEO of Permission Adnetwork and Venture Capitalist at GV Venture. goo.gl/kEkh

Luiz Gonzales - Lua Branca (advertising agency) CEO and responsible for all (offline and online) strategy for José Serra's presidential campaign (2006 and 2010) goo.gl/Kb8D


Credits:

Directed by - Pedro Sorrentino (@pedrosorren) and Rodrigo Vitulli (@rovitulli)

Edited by - Jorge Mendes, Pedro Sorrentino and Rodrigo Vitulli

Screenplay by - Pedro Sorrentino, Rodrigo Vitulli, Vinicius Viana

Research by - Pedro Sorrentino, Rodrigo Vitulli, Vinicius Viana, Julia Reina

Under the tuition of - Master's Carlos Sandano (Mackenzie Presbiterian University)

Support - Mackenzie Television Center, Bebop Production and Mirabilis Video.

quinta-feira, 11 de março de 2010

Documentário Polêmico sobre Obama: Obama Deception

Esse filme é o Obama Deception. Um doc super conservador, feito no melhor estilo direita WASP americana.

Vale ver para termos uma dimensão do que era o "medo" obâmico antes de 2008.

Yes we can?

Compartilhe com a sua rede

Ocorreu um erro neste gadget

Seguidores

Arquivo do blog